Consumo ético

Dove e The Body Shop pedem à UE que mantenha a cosmética livre de testes em animais

As marcas Dove e The Body Shop juntaram-se à PETA, Cruelty Free Europe, HSI, Eurogroup for Animals e à ECEAE (representando um total de 100 organizações de 26 estados membros da UE), para mobilizar, urgentemente, 1 milhão de cidadãos europeus, de forma a salvaguardar a cosmética livre de crueldade animal na Europa, após ameaças à proibição de testes em animais para fins cosméticos, imposta pela UE anteriormente.

Em 2004, após décadas de campanhas feitas por consumidores, organizações de proteção dos animais e empresas, a União Europeia baniu os testes de cosméticos em animais. Em 2009, proibiu os testes de ingredientes de cosmética em animais e finalmente, em 2013, proibiu a venda de cosméticos testados em animais. A abordagem da UE tornou-se num modelo para a alteração regulamentar de vários países por todo o mundo.

No entanto, os recentes requerimentos de testes por parte da Agência Europeia dos Produtos Químicos (ECHA) destroem completamente estas proibições e ameaçam o progresso adicional que o Parlamento Europeu tem vindo a defender, corajosamente, desde 2018 – uma proibição global de todos os testes de cosméticos em animais até 2023.

ECHA propõe testar novamente em animais

De acordo com as marcas, a ECHA pede novos testes em animais, para ingredientes que são já usados pelos consumidores e manuseados em fábricas de forma segura há muitos anos, mesmo aqueles utilizados em exclusivo para cosmética: “Se este requerimento prosseguir, milhões de animais podem ser submetidos a testes cruéis quando existem outras alternativas para obter dados seguros”.

Para estas insígnias de cosmética, os testes em animais já não são necessários para garantir a segurança, graças às modernas alternativas científicas sem crueldade animal e relevantes para o ser humano, que têm vindo a ser usadas e desenvolvidas pelos cientistas da área.

Vários grupos de proteção animal afirmam: “Os inquéritos mostram que três quartos dos adultos nos estados membros da UE concordam que os testes de cosméticos e respetivos ingredientes em animais são inaceitáveis ​​em todas as circunstâncias, e 70% apoia um plano de eliminação progressiva de todos os testes em animais. É triste que, uma vez mais, tenhamos de travar uma batalha que os cidadãos europeus pensavam já ter vencido ”.

Firdaous El Honsali, Senior Director of Global Communications and Sustainability de Dove diz: “Na Dove, lutamos apaixonadamente contra a crueldade animal. Acreditamos verdadeiramente que não há motivos para se realizarem testes em animais, tanto de produtos de cosmética como dos ingredientes que os compõem, e temos sido pioneiros em encontrar alternativas seguras e humanas para garantir a segurança dos produtos e ingredientes desde há muitos anos. Este compromisso leva-nos a agir com urgência para proteger a proibição dos testes em animais na UE. Juntos com os nossos parceiros, The Body Shop e organizações de proteção animal de relevo, encorajamos tanto os nossos pares da indústria da beleza como o público em geral, a unirem a sua voz à luta para acabar com os testes em animais na UE, de uma vez por todas, assinando esta Iniciativa de Cidadania Europeia.”

Christopher Davis, Global CSR and Activism Director da The Body Shop International acrescenta: “A The Body Shop foi a primeira marca de beleza global a lutar contra os testes em animais na indústria cosmética e este compromisso está na frente das nossas campanhas ativistas desde há mais de três décadas. O nosso trabalho com os nossos parceiros de campanha Cruelty Free International, levou à proibição original da União Europeia em 2013. Hoje, apelamos à UE, que alberga o maior mercado de cosmética a nível mundial, que mantenha a sua promessa revolucionária. Estamos orgulhosos de colaborar com Dove e de falar a uma só voz, juntamente com todos aqueles que lutam pelo fim global dos testes em animais para fins cosméticos, apoiando esta Iniciativa de Cidadania Europeia.”

Linha temporal da UE em relação aos testes em animais

2004: UE implementa a proibição de testes em animais de produtos acabados de cosmética.

2009: É introduzida a proibição de testes em animais de ingredientes e combinações de ingredientes cosméticos, bem como a proibição da comercialização de produtos testados ou com ingredientes testados em animais, com algumas exceções relacionadas com efeitos sobre a saúde humana, como a toxicidade de dose repetida, toxicidade reprodutiva e toxicocinética.

2013: É implementada a proibição total de comercialização de produtos testados ou com ingredientes testados em animais, que vem fortalecer as proibições anteriores.

2018: O Parlamento Europeu adota uma resolução que defende uma proibição mundial dos testes em animais – estabelecendo o papel da Europa como líder mundial na luta contra a crueldade animal.

2021: Nos últimos anos a ECHA apelou à utilização de dezenas de milhares de animais para testes de ingredientes de cosmética.

Os cidadãos europeus podem assinar a Iniciativa aqui.