- Revista Sustentável - https://www.revistasustentavel.pt -

Universidade finlandesa desenvolve alternativa sustentável a proteína de clara de ovo

A ovalbumina, principal proteína encontrada na clara de ovo, pode ser produzida através de um fungo. Segundo a investigação da Universidade de Helsínquia [1] e do VTT Technical Research Centre of Finland [2], esta solução poderá mitigar o impacto ambiental associado com a produção de clara de ovo desidratada ,utilizada habitualmente na indústria alimentar [3].

A universidade explica, em comunicado [4], que a agricultura celular, também chamada de fermentação de precisão quando usada para a produção de ingredientes recombinantes, oferece uma solução baseada na biotecnologia para dissociar a produção de proteínas animais da agricultura animal, utilizando um sistema de produção microbiana para produzir as proteínas específicas.

“Por exemplo, mais de metade do teor de proteína de clara de ovo desitratada é ovalbumina. A VTT conseguiu produzir ovalbumina com a ajuda do fungo Trichoderma reesei. O gene que transporta as plantas para a ovalbumina é inserido por ferramentas biotecnológicas modernas no fungo que depois produz e segrega a mesma proteína que as galinhas produzem. A proteína ovalbumina é então separada das células, concentrada e seca para criar um produto funcional final”, explica a investigadora do VTT Technical Research Centre of Finland, Emilia Nordlund .

Por sua vez, a investigadora da Universidade de Helsínquia, Natasha Järviö, nota que “de acordo com a nossa pesquisa, a ovalbumina produzida por fungos reduziu os requisitos de uso do território em quase 90% e os gases com efeito de estufa em 31-55% em comparação com a produção da sua congénere à base de frango. No futuro, quando a produção se basear em energia de baixo carbono, a fermentação de precisão tem o potencial de reduzir o impacto mesmo em 72%”.

Para o impacto da utilização da água no ambiente, os resultados foram menos conclusivos, mostrando um elevado grau de dependência da localização assumida do local de produção da ovalbumina.

O estudo foi publicado na revista científica Nature Food [5].