Descarbonização

Consumo interno português de carvão diminuiu quase 80% em dois anos

O consumo interno de carvão em Portugal diminuiu cerca de 79% entre 2018 e 2020, revelam os dados divulgados recentemente pelo Eurostat.  A nível europeu, o consumo do carvão mineral teve uma queda de 35%, já o do carvão lenhite diminuiu 22%, revela a entidade europeia, em comunicado.

No caso português, o consumo interno baixou de 4555,088 milhares de toneladas em 2018 para 957,194 em 2020. De 2018 para 2019 a queda foi de 53,56%, para 2115,363. Já de 2019 para 2020, a descida foi mais acentuada, alcançando os 54,7%.

O Eurostat ressalva que “os dados mensais de 2020 mostram que a pandemia da covid-19 teve efeitos na produção e consumo de carvão, mas a extensão total da influência da pandemia na produção e consumo de carvão será mais clara nos anos seguintes”.

Carvão mineral

Em 2020, a União Europeia (EU) produziu 56 milhões de toneladas deste tipo de carvão, menos 80% do que a sua produção em 1990. O número de estados-membros produtores diminuiu desde então, de 13 em 1990 para apenas dois estados-membros em 2020: a Polónia, que representa 96% da produção total da UE, e a República Checa.

Da mesma forma, o consumo tem vindo a diminuir de forma consistente desde 1990, com uma diminuição acelerada desde 2019. Em 2020, o consumo estimado na União Europeia foi de 144 milhões de toneladas, menos 63% do que em 1990.

As razões apresentadas pela Eurostat para a queda são a mudança para o gás natural e as energias renováveis, no caso da produção de eletricidade, bem como uma diminuição da produção de coque, utilizado em várias indústrias, como na produção de ferro e aço.

Carvão lenhite

O consumo de carvão lenhite em 2020 foi estimado em 246 milhões toneladas, 64% menos que em 1990. 95% do consumo total deste tipo de carvão na UE é feito por seis países: Alemanha (44%), Polónia (19%), República Checa (12%), Bulgária, Roménia e Grécia.

“Os números de produção e consumo do carvão lenhite são muito semelhantes, uma vez que é quase sempre consumido nos países de produção, ao mesmo tempo que existe pouca troca comercial deste tipo de carvão”, nota o Eurostat.

A grande maioria do carvão lenhite na UE é utilizada para a produção de eletricidade. Em 2019, 93% deste carvão foi usado para esse fim.