Energias Renováveis

FCUL vai avaliar efeitos da Central Fotovoltaica do Cercal na biodiversidade

FCUL vai avaliar efeitos da Central Fotovoltaica do Cercal na biodiversidade

A Aquila Clean Energy assinou uma parceria com a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) para proceder ao estudo prévio dos efeitos da central fotovoltaica de Cercal do Alentejo na biodiversidade do território, bem como na qualidade dos solos existentes.

Segundo explicado em comunicado, no âmbito desta parceria, a FCUL vai proceder à caraterização da situação de referência de biodiversidade e dos solos na área de construção da central fotovoltaica do Cercal. “Através de diversas metodologias de investigação científica, e antes do arranque das obras, vai ser possível caraterizar em detalhe a qualidade do solo, a riqueza específica do local em termos de fauna e flora e também os microclimas locais”, explicam a Aquila e a FCUL.

DSC 7793

Este estudo tem como objetivo compreender a situação atual do local, em matéria de biodiversidade e solos e servir para, posteriormente, apoiar na definição de iniciativas locais com vista à preservação da biodiversidade local e na promoção de práticas agrícolas mais ajustadas ao seu potencial.

Por outro lado, a FCiências.ID  – Associação para a Investigação e Desenvolvimento de Ciências (integrante da FCUL) já se encontra a implementar um Plano de Monitorização da Temperatura, já aprovado pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) no âmbito das medidas inscritas na DIA. Através da instalação de equipamentos em termos de monitorização de temperatura, uma equipa de peritos da Ciências ULisboa vai analisar de forma precisa os eventuais impactes da central na temperatura circundante, propondo medidas de mitigação caso estas se revelem necessárias.

“Esta parceria com a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa traduz a preocupação da Aquila Clean Energy com o respeito pelos territórios, valores naturais e locais e com a sustentabilidade. A construção da central fotovoltaica do Cercal é essencial para atingir as metas que garantam uma transição energética efetiva. Contudo, queremos também assegurar que, além de ajudar a cumprir o objetivo de descarbonização do setor electroprodutor, esta central poderá coexistir com atividades agrícolas, em respeito pela biodiversidade local e sem consequências na temperatura ambiente”, declara o Head of Development & Construction da Aquila Clean Energy em Portugal, Manuel Silva.

Para o diretor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Luís Carriço,  “as colaborações com empresas como a Aquila Clean Energy tornam possível colocar ao serviço da sociedade o melhor conhecimento disponível e a inovação que é desenvolvida na Faculdade de Ciências”.

iStock 817589448