Descarbonização

Prosegur quer adiantar-se em 10 anos aos objetivos do Acordo de Paris

A Prosegur iniciou um projeto de compensação de emissões de CO2 com o objetivo de alcançar o seu compromisso de descarbonização até 2040, ou seja, dez anos antes do estabelecido pelo Acordo de Paris. Em comunicado, a empresa de segurança privada arranca com a compensação das emissões gerada pelas operações na Europa, através de um projeto de gestão de resíduos localizado no Brasil.

De forma gradual, a Prosegur pretende alargar este programa de compensação de emissões aos 26 países em que opera. A próxima região a entrar neste projeto será a Ásia-Pacífico, à qual se seguirá a América Latina.

O secretário-geral da Prosegur, Antonio Rubio, salienta: “A escolha do Brasil para iniciar o projeto de compensação da pegada de carbono não é um acaso. Este é um dos mercados mais relevantes para a empresa e uma das áreas com maior biodiversidade no mundo”.

Esta iniciativa, na qual a Prosegur diz ser pioneira no setor da segurança privada a nível global, pretende dar continuidade às medidas já implementadas para reduzir as emissões produzidas pelas atividades da empresa. Entre elas, a redução de 10% nas emissões de CO2 em perímetro constante em 2020.

O Plano Diretor de Sustentabilidade está estruturado em quatro áreas principais de ação: Ética, Transparência e Governance; Pessoas; Segurança no Trabalho e Ambiente. No total, existem 63 iniciativas específicas para as quais a Prosegur definiu um conjunto de indicadores detalhados que permitem medir o seu impacto e evolução.

Para além disso, criou-se um Comité de Sustentabilidade, liderado pelos membros do Comité de Direção, cuja principal tarefa será definir os objetivos, planos de ação e práticas da empresa nesta área.