- Revista Sustentável - https://www.revistasustentavel.pt -

Cientistas descobrem técnica de remoção de microplásticos da água através de bactérias

Microbiologistas descobriram uma técnica de remoção de microplásticos poluentes da água através da utilização de bactérias. Os investigadores da Hong Kong Polytechnic University (PolyU [1]) pretendem utilizar a tendência das bactérias de se agruparem e colarem-se a superfícies, o chamado biofilme (por exemplo, no caso dos dentes corresponde à placa bacteriana), para criar redes de micróbios que capturem os microplásticos, avança o The Guardian [2]. Os resultados ainda são preliminares e foram apresentados na conferência anual da Microbiology Society [3].

A partir desta pesquisa, a equipa liderada por Song Lin Chua e James Kar-Hei Fang criou um biofilme bacteriano, a partir de uma bactéria chamada Pseudomonas aeruginosa, capaz de imobilizar e incorporar microplásticos que flutuam na água.

Estas redes de micróbios prendem e agrupam os microplásticos e fazem-nos afundar no fundo da água. Depois, graças a um “mecanismo de libertação de capturas” utilizando um gene de dispersão de biofilme, os investigadores podem retirar e recolher os microplásticos das armadilhas de bactérias.

Futuro da experiência

“Um dos maiores desafios no tratamento dos microplásticos é a captura de partículas tão pequenas para que possam ser degradadas e removidas do ambiente”, disse a investigadora da Universidade de Edimburgo, Joanna Sadle, ao jornal diário inglês. Na sua opinião, “demonstraram uma solução elegante para este problema, que tem um grande potencial para ser desenvolvido numa tecnologia de tratamento de águas residuais no mundo real”.

No entanto, a experiência continua a ser preliminar: foi realizada como prova de conceito num ambiente de laboratório controlado e não no oceano ou nos esgotos. Além disso, foi utilizada a estirpe da bactéria aeruginosa, que é uma bactéria portadora de doenças para os seres humanos e provavelmente não poderia ser usada em projetos de grande escala.

Os investigadores estão confiantes que o método pode ser replicado para encontrar bactérias naturais formando biofilme diretamente em esgotos ou outros ambientes aquosos.

Recorde-se que os microplásticos são fragmentos de plásticos [4], menores que 5 milímetros, que são libertados pela atmosfera de diversas maneiras: desde a lavagem de roupa sintética até ao desgaste dos pneus dos carros.