Desplastificação

Feira do Livro de Lisboa terá saco de papel com material natural renovável da Navigator

Sacos_Navigator_FLL

A The Navigator Company irá entregar aos vários livreiros presentes na Feira do Livro de Lisboa (FLL) 30 mil sacos em papel, feitos com material natural de origem renovável.

Esta iniciativa junta, assim, pelo segundo ano consecutivo, a The Navigator Company e a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) em prol da proteção do ambiente ao disponibilizarem um saco em papel que será oferecido a todos os visitantes que se dirigirem ao Parque Eduardo VII, entre os dias 27 de agosto e 13 de setembro, para conhecer as grandes novidades do setor livreiro que marcam a 90.ª Edição da Feira do Livro de Lisboa.

Os livreiros presentes na Feira poderão partilhar os sacos com cada visitante no ato da aquisição dos livros, permitindo-lhes assim o transporte dos vários exemplares num único suporte amigo do ambiente, reciclável e biodegradável.

O papel é um suporte natural, renovável, reciclável e totalmente biodegradável, cujos atributos dificilmente se encontram em outros materiais.

Ao associar-se pelo segundo ano consecutivo à APEL e à 90.ª Edição da Feira do Livro de Lisboa, a The Navigator Company assume o compromisso sustentável de proteger o planeta e apelar, através da oferta de sacos feitos em papel, para a importância da redução da pegada ecológica e para a adoção de atitudes que salvaguardem o futuro do ambiente.

Produzido por uma indústria tecnologicamente evoluída e responsável, o papel é o resultado de uma cadeia de produção que depende da plantação de árvores e em que os padrões ambientais são, cada vez mais, exigentes e rigorosos. A indústria moderna de papel não utiliza madeira proveniente de florestas naturais, pelo que a matéria-prima por si transformada resulta de árvores plantadas especificamente para esse fim – quando se utiliza papel está-se a dinamizar a plantação de árvores e a contribuir para a sustentabilidade da floresta.

Por outro lado, o processo de fabrico do papel cumpre os critérios de sustentabilidade que orientam uma indústria consciente e responsável na salvaguarda do ambiente, tanto na gestão ativa e profissional da floresta, como na utilização de energia renovável, na utilização racional da água, na gestão dos seus resíduos e subprodutos e, também, no aproveitamento do papel e seus derivados para a reciclagem, atualmente um dos meios que permitem o prolongamento da sua utilidade.