Agricultura

64% dos terrenos agrícolas em risco devido à poluição de pesticidas

Um estudo de investigadores australianos, publicado no Nature Geoscience, produziu um modelo de mapeamento global do risco da poluição causada por 92 químicos geralmente utilizados em pesticidas agrícolas, em 168 países.  A Universidade de Sydney, em notícia do site, revela que esse risco, a nível global, atinge 64% dos terrenos aráveis mundiais.

O mapa também revelou que é no continente asiático que existe um maior risco de poluição, com a China, a Malásia e as Filipinas a possuírem o maior deles. A investigação recorda que algumas destas áreas são importantes para a produção alimentar mundial.

A autora principal do estudo, Fiona Tang, afirmou que o uso generalizado de pesticidas na agricultura – ao mesmo tempo que aumenta a produtividade – pode ter potenciais implicações para o ambiente, para a saúde humana e animal.

“O nosso estudo revelou que 64% das terras aráveis do mundo estão em risco de poluição por pesticidas. Isto é importante porque a literatura científica mais ampla descobriu que a poluição por pesticidas pode ter impactos adversos na saúde humana e no ambiente”, afirmou a investigadora.

O estudo também cruzou o risco de poluição por pesticida com a escassez de água e a biodiversidade.

“Embora as terras agrícolas na Oceânia demonstrem o menor risco de poluição por pesticidas, a bacia de Murray-Darling da Austrália é considerada uma região de grande preocupação, tanto devido aos seus problemas de escassez de água, como à sua elevada biodiversidade”, disse o coautor da investigação, Federico Maggi.

A investigadora Fiona Tang acrescenta que “globalmente, o nosso trabalho mostra que 34% das áreas de alto risco estão em regiões de alta biodiversidade, 19% em nações de baixo e baixo rendimento médio e 5% em áreas escassas de água”.

Perspetivas para o futuro

“Num clima mais quente, à medida que a população global cresce, espera-se que o uso de pesticidas aumente para combater o possível aumento das invasões de pragas e para alimentar mais pessoas”, afirmou o professor associado Federico Maggi.

Fiona Tang afirma que “embora a proteção da produção alimentar seja essencial para o desenvolvimento humano, a redução da poluição por pesticidas é equivalentemente crucial para proteger a biodiversidade que mantém a saúde e as funções dos solos, contribuindo para a segurança alimentar”.

“Recomendamos uma estratégia global de transição para um modelo agrícola global e sustentável que reduza o desperdício alimentar, reduzindo ao mesmo tempo o uso de pesticidas”, referem os autores do artigo.

A investigação foi conduzida por Julia Tang e Federico Maggi da Faculdade de Engenharia, e por Manfred Lenzen e Alexander McBratney da Faculdade de Ciências.