Economia Circular

H&M e Ikea querem alterar reciclagem dos têxteis, tornando-a menos tóxica

O H&M Group e o Inter IKEA Group revelaram as conclusões do seu estudo sobre os químicos presentes nos têxteis reciclados.

O H&M Group e o Inter IKEA Group revelaram as conclusões do seu estudo sobre os químicos presentes nos têxteis reciclados, projeto iniciado em 2019. A Ikea, em comunicado, informa que o objetivo do estudo tem sido estrategicamente aumentar o conhecimento e ultrapassar os desafios na troca de informação, ao mesmo tempo que estimula a transparência química na indústria.

“Com a colaboração da indústria, podemos superar desafios comuns a caminho de nos transformarmos num negócio circular. Este estudo permitiu-nos partilhar dados através de uma plataforma digital, criando transparência e partilha de conhecimentos, bem como criando factos que nos apoiem na nossa próxima viagem para apenas utilizar materiais reciclados e renováveis”, disse o líder do projeto de têxteis reciclados da IKEA da Suécia, Mirjam Luc.

O estudo revelou que 2,5% dos mais de 70 mil pontos de dados de resíduos de algodão, lã e poliéster pós-consumo provenientes de diferentes regiões do mundo mostravam deteções de químicos indesejáveis. No entanto, menos de 1% excedia os limites do AFIRM Restricted Substances List.

As amostras de poliéster pós-consumidor tinham a maior variedade de substâncias detetadas. Nas amostras de lã pós-consumo, quase todas as amostras continham pelo menos uma substância que falhou contra os limites de RSL da AFIRM.

“Para alcançar produtos totalmente circulares e à prova de futuro, os produtos químicos legados devem ser evitados desde o início. Só através da colaboração da indústria e de uma metodologia transparente e harmonizada de avaliação de riscos para todos os produtos químicos e materiais – podemos ser proativos e garantir produtos seguros e sustentáveis para um futuro têxtil sem tóxicos”, explicou o project manager for recycled textiles do grupo H&M, Linn Farhadi.

A IKEA e a H&M vão utilizar as conclusões do estudo para apoiar a política pública para permitir o uso de têxteis reciclados. Os resultados serão igualmente utilizados para defender o estabelecimento de uma metodologia de avaliação de riscos reconhecida e harmonizada para os produtos químicos utilizados na produção.