Descarbonização

Maior central do mundo para capturar CO2 do ar é aberta na Islândia

A start-up suíça Climeworks abriu na Islândia a maior central do mundo para capturar dióxido de carbono (CO2) da atmosfera, que se chama Orca – foneticamente semelhante à palavra islandesa para energia. A empresa responsável pela central afirma que esta permite aumentar a capacidade global deste tipo de tecnologia em mais de 40%, divulga o Washington Post.

Anualmente, prevê-se que sejam capturadas 4 mil toneladas métricas de CO2, uma pequena fração das mil milhões de toneladas que vão ser necessários extrair da atmosfera anualmente em 2050. “Este é um mercado que ainda não existe, mas um mercado que precisa urgentemente de ser construído”, disse o engenheiro suíço que cofundou e codirige a Climeworks, Christoph Gebald. “Esta central que temos aqui é realmente o modelo para escalar ainda mais e realmente industrializar.”

Os ventiladores de tamanho humano são incorporados numa série de caixas do tamanho de contentores de transporte padrão de cerca de 12 metros. O dióxido de carbono é capturado através de filtros esponjas. Os filtros levam com o efeito de jatos de calor, perto da mesma temperatura necessária para ferver água, libertando o gás. Depois o CO2 é misturado com água e bombeado para as cavernas subterrâneas de basalto, onde com o tempo arrefece e se transforma em pedra cinzenta-escura.

Além desta possibilidade, as empresas de energia podem misturar o dióxido de carbono com o hidrogénio para fazer combustível. Os agricultores podem alimentar as suas plantas com ela. Os fabricantes de refrigerantes podem usá-lo para bebidas – algo que um cliente suíço da Climeworks fez há alguns anos, quando existiu uma escassez.

Custos elevados

Neste momento, os custos são elevados: cerca de 500 a 700 euros por tonelada de dióxido de carbono, disse o responsável. Estes valores são longe dos níveis de cerca de 84 a 127 euros por tonelada que são necessários para obter lucros sem a ajuda de quaisquer subsídios governamentais.

Os custos refletem tanto a natureza da tecnologia — as instalações da Climeworks são construídas à mão por enquanto, não através da automação – e também as grandes quantidades de energia necessárias para alimentar o processo de captura de CO2.

“Se as pessoas ouvirem esses números pela primeira vez, podem pensar: ‘Oh wow, isso é caro’, mas é sempre uma questão ao que se compara”, disse Christoph Gebald. O estado da Califórnia subsidia carros elétricos entre 380 e 420 euros por tonelada de emissões de carbono poupadas ao longo da vida esperada de um veículo, por exemplo, disse.

Até 2030, o responsável acredita que os preços podem ser reduzidos para entre 170 e 250 euros por tonelada. No final dos anos 2030, Christoph Gebald pensa que será metade disso.

“Esse é realmente o principal problema, se você pode torná-lo barato o suficiente. E há razões para acreditar que poderia ser possível”, disse o diretor da Carbon Mitigation Initiative da Universidade de Princeton, Stephen Pacala.