Desplastificação

McDonald’s Portugal vai utilizar menos 500 toneladas de plástico por ano

McDonald’s Portugal vai utilizar menos 500 toneladas de plástico por ano

A McDonald’s Portugal anunciou que vai reduzir o consumo de plástico em mais de 500 toneladas, por ano. Este número inclui 68 milhões de palhinhas e mais de 72 milhões de tampas de bebidas, entre outros. Em comunicado, a empresa revela que este objetivo é possível graças a estratégias como a substituição das embalagens de plástico de uso único, que vai concluir até ao final do primeiro semestre de 2021.

A marca afirma estar na reta final do percurso que definiu em 2019, sobre as embalagens de plástico de uso único. Esse percurso é ancorado em 3 eixos estratégicos:

McDonald’s Portugal vai utilizar menos 500 toneladas de plástico por ano

Medidas tomadas desde 2019

Esta estratégia iniciou-se em junho de 2019, com a substituição paletinas em plástico, para o café, por paletinas em madeira. Entre outras medidas, destacam-se no início de 2020, o copo e tampa em plástico do gelado McFlurry, substituído por uma só embalagem em papel sem tampa; e a substituição de palhinhas em plástico por umas em papel, fornecidas somente a pedido do cliente, a partir de setembro de 2020.

Até ao final do primeiro semestre de 2021 serão introduzidos, em todos os restaurantes nacionais, mais paletinas (para cappuccino e meia de leite) e talheres em madeira e bioplástico, assim como tampas em papel para os copos de bebidas quentes e de bebidas frias quando servidos no McDrive, McDelivery e Takeaway.

Pode ver o resumo de todas as medidas e do seu impacto estimado pela empresa, de seguida:

A estratégia de transição para embalagens mais sustentáveis alinha-se com a meta global, subscrita pela McDonald’s Portugal, de reduzir a utilização de plástico em excesso nas embalagens e de, até 2025, garantir 100% de embalagens provenientes de fontes renováveis, recicladas ou certificadas. Em Portugal, toda a matéria-prima de papel utilizada nas embalagens McDonald’s é já certificada pela FSC (Forest Stewardship Council).

Para a diretora-geral da McDonald’s Portugal, Inês Lima, “na McDonald’s estamos certos de que sempre que mudamos alguma coisa, muita coisa muda. Por isso, enquanto ajustámos operações para nos adaptarmos à situação pandémica, não parámos de trabalhar para atingir as metas ambientais que traçamos a longo-prazo”.