Consumo ético

Petição lançada contra alterações em produtos de origem vegetal

iStock  e

A organização ProVegInternational, a Oatly (produtora sueca de bebidas de aveia biológicas) e a Upfield (dona de marcas como a Planta e a Becel) lançaram uma petição conjunta que pede o fim da “censura aos produtos de origem vegetal”. A petição requer o fim da ‘Alteração 171’, que restringe a utilização de termos que evocam produtos lácteos em produtos de origem vegetal.

Uma das proibições introduzidas pela alteração é a proibição de termos como “não contém leite”. “Se implementada, as marcas de produtos de origem vegetal podem inclusive ser proibidas de utilizar imagens dos seus próprios produtos”, afirma o movimento, em comunicado.

Os organizadores da petição consideram que as alterações “tornariam mais difícil para os consumidores a escolha de alimentos de origem vegetal, apesar da procura cada vez maior, ameaçando também o direito dos consumidores à informação e o direito das empresas a uma concorrência leal”. As três organizações acrescentam que a ‘Alteração’ interfere com os esforços da União Europeia em matéria de sustentabilidade, tais como o Pacto Ecológico Europeu.

“As pessoas não são ignorantes – todos compreendem que esta é uma tentativa do lobby dos lacticínios para impedir a mudança para uma alimentação sustentável”, afirma Cecilia McAleavey, diretora de assuntos públicos e alimentação sustentável da Oatly.

Já a Dra. Jeannete Fielding, chefe de assuntos corporativos e comunicação da Upfields, considera que “as políticas alimentares devem ter em conta o interesse dos consumidores, do ambiente e da saúde. Esta alteração vai contra os três”. “Tornar ilegal nomear, embalar e apresentar os alimentos de origem vegetal da forma como o fazemos há mais de 100 anos é um sério passo atrás”, acrescenta.

O setor europeu dos produtos de origem vegetal já está atualmente proibido de utilizar termos como “leite de aveia” e “iogurte de soja”. A ‘Alteração 171’ foi aprovada por 54 % dos eurodeputados (386) e será discutida como parte dos Trílogos da Organização Comum dos Mercado agendados para iniciar a 27 de janeiro.

Não perca informação: Subscreva as nossas Newsletters

Subscrever