Economia Circular

Projeto português que isola som com restos de têxteis premiado em competição europeia

O Europe Enterprise Challenge premiou com o 2º lugar o projeto português “MUTE Música Têxtil”, que utiliza restos de têxteis para isolar som.

O Europe Enterprise Challenge, uma competição europeia de inovação e empreendedorismo que reúne as melhores ideias de negócio de estudantes de todo o continente europeu, premiou o projeto português “MUTE Música Têxtil”, com o segundo lugar. A ideia de negócio apresentada trata-se de um módulo de canto para isolamento de frequências e reverberações acústicas, alternativo aos painéis de parede em espumas sintéticas, realizado a partir de desperdícios têxteis, avança o Jornal do Oeste.

O projeto português destina-se a aplicações profissionais na indústria da música, mas pode ser igualmente utilizado em outras situações, incluindo o espaço doméstico, e foi desenvolvido por Rafael Pereira e Salomé Novo, recém-licenciados da Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha (ESAD.CR).

A ideia para o produto e respetivo negócio surgiu a partir da experiência na indústria da música de um dos estudantes, com base na observação de problemas detetados na produção, aplicação e utilização dos painéis acústicos convencionais. Partiu igualmente de preocupações ambientais e ecológicas dos autores.

“Representar Portugal é uma experiência emocionante. Acreditamos no valor do nosso projeto, e sentimo-nos muito felizes pelo seu reconhecimento. Enquanto designers, esta distinção traz-nos confiança sobre um futuro mais consciente e sustentável”, manifestaram Salomé Novo e Rafael Pereira.

Outros vencedores

O vencedor do Europe Enterprise Challenge é oriundo da Grécia, com o projeto Swim.me, um dispositivo vestível inteligente que preserva a orientação de nadadores cegos numa piscina. O sistema consiste numa touca e óculos de proteção ecológicos, que contêm sensores à prova de água que notificam os atletas através de vibrações ou alertas sonoros sobre o exato momento para virar e a sua posição na piscina. Em terceiro lugar na competição ficou um projeto da Noruega, intitulado Hjárni, que inclui agentes de curtimento ecológicos para a produção sustentável de couro, livres de toxinas e metais, e que não compromete a qualidade do couro.