Reciclagem

800 mil toneladas de Lamas de ETAR foram recicladas no ano passado

Lamas

O setor dos Operadores de Gestão de Resíduos (OGR) valorizou, no ano passado, aproximadamente 800 mil toneladas de Lamas de ETAR, um produto que resulta do processo de tratamento de águas residuais. O seu destino foi, maioritariamente, a Valorização Agrícola Direta (as lamas são diretamente transportadas para os terrenos agrícolas e florestais, após higienização) e a Compostagem, revela a Associação de Empresas de Valorização de Orgânicos (AEVO).

A AEVO e os seus associados, em específico, reciclaram 480 mil toneladas. Este valor equivale a “aproximadamente 60% do total de Lamas produzidas no ano passado em Portugal, um número em linha com o período homólogo”, informa a associação, em comunicado. Das lamas recebidas pela AEVO, a grande maioria, cerca de 400 mil toneladas, foram valorizadas através do processo de compostagem.

“Esta atividade é um exemplo perfeito de economia circular, já que transformamos um resíduo num produto que enriquece e valoriza os nossos solos”, afirma Ricardo Silva, presidente da AEVO. “E além dos ganhos económicos para todas as partes envolvidas, desde o produtor ao agricultor, existe um elevado ganho ambiental, uma vez que ao enriquecermos os nossos solos, pobres em matéria orgânica, contribuímos para uma redução na aplicação de adubos minerais (importados)” acrescenta.

O responsável da associação revela ainda que as “400 mil toneladas encaminhadas para compostagem refletem já os diversos investimentos em curso por parte dos OGR, que permitiram aumentar a capacidade em quase 150 mil toneladas ao longo de 2020”.

“Tendo em conta os planos de investimentos de vários dos nossos associados, com valores superiores a dez milhões de euros, é previsível que esta capacidade possa aumentar para as 700 mil toneladas até ao final de 2022”, conclui Ricardo Silva.