Agricultura

Biofungicida português à base de tremoço obtém autorização para piriculariose no arroz

O biofungicida 100% português PROBLAD obteve autorização excecional de emergência para o controlo da piriculariose na cultura do arroz. O biofungicida é feito à base de uma proteína obtida do extrato aquoso de sementes germinadas de tremoço doce (Lupinus albus), desenvolvido e patenteado pela CEV, SA e comercializado em Portugal pela Lusosem.

Em comunicado, a Lusosem lembra que a piriculariose é uma doença que chega a causar perdas de produção de até 40% nos arrozais portugueses, em anos de maior pressão do fungo.

“A proibição do uso do triciclazol e o elevado risco de aparecimento de resistências a outras substâncias ativas autorizadas agravou o controlo da doença nos últimos anos, havendo uma crescente necessidade de ferramentas eficazes para controlar a piriculariose”, nota.

Neste contexto, a DGAV concedeu uma Autorização Excecional de Emergência, por 120 dias, ao PROBLAD e atesta que contém uma substância ativa de baixo risco para a saúde humana e animal e para o ambiente e que apresenta baixo risco de desenvolvimento de resistência.

O PROBLAD está autorizado para aplicação na cultura do arroz à dose de 3,2 L/ha, com volume de calda de 400L/ha, com um máximo de duas aplicações e 14 dias de intervalo entre aplicações. É recomendado para tratamentos preventivos, desde o início do emborrachamento até ao início do amadurecimento do grão (BBCH 41-81).

É expetável a autorização deste novo biofungicida em Portugal para outras culturas e finalidades no início de 2023.