Economia Circular

Portugal pode liderar a transição para a bioeconomia na Europa

Portugal pode liderar a transição para a bioeconomia na Europa

O Bio-based Industries Consortium (BIC), associação europeia do setor da bioeconomia, publicou um novo relatório que considera que Portugal está em posição de liderar a transição para a bioeconomia na Europa.

Segundo o BIC, este setor já contribuiu com quase 20 mil milhões de euros para a economia nacional e o estudo mostra que existem novas oportunidades para acelerar o crescimento económico verde no país.

“A bioeconomia sustentável assume um papel cada vez mais crucial nas sociedades portuguesa e europeia. Este é o momento para fazer emergir os benefícios deste modelo e encontrar as melhores oportunidades e soluções para apoiar as empresas a criar produtos e serviços mais sustentáveis”, afirmou João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Ação Climática.

Embora Portugal esteja ainda a finalizar a sua estratégia nacional para a bioeconomia, o estudo do BIC “realça a existência de um ecossistema de inovação robusto em Portugal”. Além disso, destaca “a crescente influência do país enquanto líder no setor da biotecnologia, a sua próspera economia do mar”, bem como a existência de oportunidades que permitem a transformação de recursos e resíduos orgânicos em produtos de valor acrescentado.

O BIC revela ainda que “embora a Estratégia de Especialização Inteligente do país não apresente uma prioridade dedicada à bioeconomia, inclui elementos de bioeconomia em praticamente todos os seus eixos”.

Este relatório destaca também vários projetos de investigação portugueses que utilizam biomassa como matéria-prima e biotecnologias, como o MULTI-STR3AM (um projeto de exploração e produção de microalgas) liderado pelo Algae 4 Future.

O BIC analisou os setores portugueses agroalimentar, florestal, marinho (algas, aquicultura e pescas), assim como às indústrias alimentar e de bebidas, de pasta e papel e restante fileira florestal.

Pode consultar o estudo completo aqui.