Economia Circular

Tecnologia de filtração de óleo na água vence Born from Knowledge 2020

O projeto SmarText foi um dos vencedores da Born from Knowledge Ideas, com uma tecnologia que permite filtrar cerca de 85% do óleo das águas.

O projeto SmarText foi um dos vencedores da Born from Knowledge Ideas, promovido pela Agência Nacional de Inovação (ANI), e que visa impulsionar a transferência de conhecimento para o tecido empresarial. Os investigadores do Atlântica – Instituto Universitário em Oeiras criaram uma tecnologia que, através de nanopartículas, permite filtrar cerca de 85% do óleo das águas antes de estas serem despejadas nos afluentes de água.

Em comunicado, a ANI revela que o projeto pretende solucionar a “quantidade muito reduzida (estimada em 15 a 20%) de óleo e gordura que são retidos atualmente nas Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) e são eliminados sem qualquer tipo de valorização”.

A gordura captada da água pode ser vendida à indústria dos biocombustíveis, entre outras. O projeto conta já com parceiros como a Águas de Portugal e a Prio.

As ideias de negócio distinguidas nesta edição do prémio ganharam acesso a um programa de aceleração em Ciência e Tecnologia com a duração de 3 meses, também da responsabilidade da ANI. Estão previstas três edições – Norte, Centro e Alentejo – em que os participantes terão ao longo de três meses o acompanhamento próximo de uma rede de mentores.

No BfK Ideas 2020, adiado por causa da pandemia, estiveram a concurso 33 projetos, distribuídos por seis categorias: Inteligência Artificial e Tecnologias Avançadas de Produção; Recursos Naturais, Ambiente, Energia e Mobilidade Sustentável; Saúde e Bem-Estar; Turismo, Indústrias Culturais e Criativas; Recursos naturais para a valorização do interior; e Soluções Tecnológicas para Prevenção, Deteção e Tratamento da Covid-19.

O júri, formado por João Mendes Borga, administrador da ANI; José Vale, head of innovation and entrepreneurship do IAPMEI; Rui Ferreira, vice-presidente executivo da Portugal Ventures; e Cláudia Montenegro, diretora de Responsabilidade Social da Galp, avaliou os oito finalistas, depois de uma mentoria recebida no Instituto Pedro Nunes (IPN).