Descarbonização

Cidades responsáveis por 70% das emissões globais de gases de efeito estufa

Cidades responsáveis por 70% das emissões globais de gases de efeito estufa iStock

Atualmente, as cidades são responsáveis por 70% das emissões de gases com efeito de estufa e 75% do consumo global de energia, sendo estimado que o valor continue a aumentar. São as conclusões de um relatório da Agência Internacional da Energia (AIE), intitulado “Potenciar as Transições Energéticas Urbanas: Smart Cities and Smart Grids”.

A análise, apresentada na reunião de ministros do G7 sobre clima, energia e ambiente, teve como intuito explorar vários projetos e iniciativas implementadas em sistemas de energia em cidades de todo o mundo, de forma a fornecer insights sobre as melhores práticas emergentes, abordagens inovadoras e como barreiras e desafios podem ser enfrentados.

De acordo com a Agência, o foco do relatório está em encontrar formas de os governos nacionais ajudarem as cidades a acelerar transições energéticas limpas, acessíveis e inclusivas, de modo a garantir resiliência e capacidade de adaptação às mudanças climáticas.

A análise concluiu que quase 10% do aumento das emissões globais desde 2015 pode ser atribuído à urbanização, tendo sido responsável pelo recorde de emissões ligadas às cidades de quase 29 bilhões de toneladas de CO2.

“A evidência é que investir em infraestrutura e tecnologia para descarbonizar o setor da energia pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa em até 75% até 2050 – desde que as políticas certas estejam em vigor”, salienta a AIE.

E continua: “A maioria dos residentes urbanos em todo o mundo respira níveis insalubres de poluição, uma grande parte dos quais é um subproduto do uso de combustíveis fósseis, que é responsável por cerca de 5 milhões de mortes prematuras a cada ano”.

Segundo o estudo, um pequeno número de cidades, têm vindo a intensificar e a definir metas de redução de gases mais ousadas do que as dos governos nacionais. Globalmente, das cidades com mais de 500 mil habitantes, cerca de 20% propuseram alcançar a neutralidade carbónica, das quais, apenas metade, declarou ter políticas em vigor.

O relatório “Potenciar as Transições Energéticas Urbanas: Smart Cities and Smart Grids” avança que as mudanças climáticas estão a trazer novos desafios às redes das cidades cada vez mais habitadas, com cerca de 70% das cidades a já sofrer os impactos negativos das temperaturas extremas e de tempestades frequentes, que têm levado a infraestrutura de energia aos limites de operação.

“A transição para longe dos combustíveis fósseis, incluindo a triplicação da capacidade de energia renovável e a mudança para ativos de energia do lado da demanda elétrica, é vital para que os países atinjam as suas metas climáticas”, enaltece a Agência.

Para alcançar a neutralidade carbónica, a AIE espera que a frota de veículos elétricos aumente dez vezes, de quase 30 milhões ao dia de hoje para cerca de 315 milhões já em 2030.

A eletrificação substancial dos transportes, do aquecimento, bem como de toda a indústria, “verá a demanda por eletricidade aumentar”, podendo registar um incremento “até duas vezes e meia até 2050, dependendo do ritmo da descarbonização”, refere o relatório, que avança ser crucial investimento na modernização e digitalização da rede.

“As cidades têm um papel essencial a desempenhar na triplicação da capacidade das fontes de energia renováveis, na implantação de tecnologias energeticamente eficientes e na eletrificação dos transportes e do aquecimento, compromissos acordados como parte do Consenso dos Emirados Árabes Unidos na COP28”, sublinha a análise da AIE.

Desta forma, o relatório identifica quatro áreas prioritárias para os decisores políticos nacionais se dedicarem quando abordam os seus planos de ação climática: colocar as pessoas no centro da ação, utilizar os dados e objetivos climáticos para orientar a estratégia, criar um ambiente de apoio no que toca à acessibilidade dos dados e fomentar a cooperação internacional

Não perca informação: Subscreva as nossas Newsletters

Subscrever