Descarbonização

Projeto ibérico pretende reduzir pegada ecológica dos hospitais

Projeto ibérico pretende reduzir pegada ecológica dos hospitais Direitos Reservados

Portugal e Espanha vão cooperar para trabalhar a sustentabilidade na área da saúde através do projeto Green Hospitals. Esta é uma iniciativa de cooperação transfronteiriça que visa a redução da pegada ecológica dos hospitais dos sistemas de saúde.

“O projeto Green Hospitals está alinhado com as políticas ambientais e de sustentabilidade e visa aumentar os níveis de eficiência energética e reduzir os consumos de energia primária e consequente emissão de gases de efeito estufa (GEE) do setor da saúde ibérico”, lê-se no comunicado de imprensa enviado às redações.

Sob o tema “Melhoria da Eficiência Energética em Hospitais Transfronteiriços”, o projeto assenta numa abordagem multidimensional e foi desenvolvido no âmbito do POCTEP 2021-2027, tendo tido como impulsionador o facto de Portugal e Espanha continuarem a ser os países onde a emissão de GEE está acima da média europeia, no âmbito do setor da saúde.

O alerta foi dado na sessão de abertura do projeto por Alexandre Lourenço, Presidente do Conselho de Administração da ULS Coimbra, e Xavier Barreto, Presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH).

“É absolutamente fundamental que os hospitais no futuro sejam mais eficientes em termos energéticos e que, de alguma forma, reduzam o seu impacto no ambiente. É sabido que a indústria da saúde é uma das que tem maior impacto no ambiente e que mais contribui para o aquecimento global e alterações climáticas”, explicou o presidente da APAH.

Para Alexandre Lourenço: “este projeto vai ajudar-nos a direcionar melhor e a priorizar o desenvolvimento de atividades que vão permitir reduzir a nossa pegada carbónica, a fim de sermos uma organização mais sustentável do ponto de vista ambiental”.

Já para Luís Campos, Presidente do Conselho Português para a Saúde e Ambiente, existe uma necessidade de se constituir uma voz comum às organizações, no que diz respeito à ligação entre a saúde e o ambiente.

“Todos sabemos que as alterações climáticas e a degradação ambiental estão a evoluir da forma mais pessimista e isso tem impacto na saúde das pessoas. Neste momento, 1 em cada 4 pessoas morre devido a fatores ambientais”, alertou o responsável.

De acordo com a nota de imprensa, numa primeira fase, cada uma das entidades envolvidas fará o seu diagnóstico individual de forma a permitir um apuramento das condições atuais de todos os envolvidos. Numa segunda fase, está prevista a implementação de medidas e tecnologias inovadoras nos hospitais em Portugal e Espanha.

A iniciativa envolve um consórcio de cinco entidades portuguesas, designadamente a Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), a ULS de Coimbra, a ULS de Trás-os-Montes e Alto Douro, a ULS do Algarve, a Rede Nacional de Agências de Energia (RNAE) e duas entidades espanholas, entre as quais o Servicio Gallego de Salud (SERGAS) e a Agência de Energia do Governo Regional da Comunidade Autónoma de Castilla y León (EREN).

 

Não perca informação: Subscreva as nossas Newsletters

Subscrever