Consumo ético

Nestlé acelera objetivo de ter cultivo sustentável dos seus cafés

A Nestlé pretende, até 2025, que toda a sua produção de café das suas marcas seja de fontes de cultivo sustentável, tendo já alcançado 85%.

A Nestlé pretende, até 2025, que toda a sua produção de café das suas marcas seja de fontes de cultivo sustentável. Numa altura em que a marca garante que 85% da sua produção já advém de cultivo sustentável, a marca quer tornar, nos próximos 4 anos, essa percentagem de 100%.

“Em 2020, Nescafé e Nescafé Dolce Gusto asseguraram 85% e 90%, respetivamente, da produção de café proveniente de cultivo sustentável e continuam a trabalhar para atingir os 100% em todo o mundo até 2025”, começa por referir a marca em comunicado. “BUONDI, SICAL, TOFA e CAFÉS CHRISTINA, as marcas locais da Fábrica do Porto, obtiveram 89% do café proveniente de cultivo sustentável, e têm como objetivo alcançar os 100% em 2022” acrescenta ainda.

Gonçalo Granado, diretor de comunicação da marca, lembra que esta transição é um processo contínuo que tem vindo a ser desenvolvido durante os últimos anos. “O caminho para a obtenção de matérias-primas provenientes de cultivo sustentável é gradual e contínuo, e, na nossa visão, deve ser implementado na génese de trabalho das marcas. É isso que pretendemos fazer e é por isso que definimos objetivos a médio e longo prazo, alicerçados em esforços conjuntos de todas as partes envolvidas”, explica Gonçalo Granado, Diretor de Comunicação da Nestlé Portugal.

“Para obter esta classificação é necessário garantir condições que assentam em dimensões económicas, sociais e ambientais – que protegem não só o planeta e o ambiente, mas também as comunidades de produtores de café. Isso inclui assegurar a rastreabilidade dos grãos de café até ao produtor, utilizar práticas de agricultura que protejam o solo e que utilizem recursos naturais de forma eficiente, não contribuindo para a desflorestação e fomentando a biodiversidade”, explica a Nestlé.