Tecnologia

Novos consumidores esperam que tecnologia ajude a enfrentar alterações climáticas

Novos consumidores esperam que tecnologia ajude a enfrentar alterações climáticas

Quase a totalidade (99%) dos mais de 15 mil novos consumidores globais de tecnologia espera utilizar proativamente a Internet e outras soluções baseadas na conectividade para enfrentar o impacto das alterações climáticas até 2030. A conclusão é da última pesquisa anual 10 Hot Consumer Trends da Ericsson ConsumerLab, este ano denominada Life in a Climate-Impacted Future.

Segundo explicado, em comunicado, a maioria dos inquiridos (83%) acredita que o mundo terá atingido, ou ultrapassado, a taxa de 1,5C de aquecimento global (acima dos níveis pré-industriais), em 2030.

Nesse sentido, pouco mais de metade (55%) dos novos utilizadores tecnológicos, residentes nas grandes áreas metropolitanas, considera que as alterações climáticas terão um impacto negativo nas suas vidas e espera recorrer a soluções de conectividade como contramedidas.

Cerca de 59% dos inquiridos prevê que a inovação e a tecnologia serão cruciais para enfrentar os desafios diários.

A partir dos dados obtidos, os peritos do Ericsson ConsumerLab criaram dez tendências:

  1. Controlo de custos – Mais de 60% dos novos utilizadores mostra-se preocupado com os custos de vida mais elevados que se deverão verificar no futuro.
  2. Ligações sem interrupções – Cerca de 80% dos novos consumidores acredita que haverá localizadores inteligentes de rede que identifiquem áreas de cobertura ótima durante as catástrofes naturais, ao longo da década de 2030.
  3. Mobilidade sem pressa – Cerca de 68% dos inquiridos planearia as suas atividades com base na otimização do custo da energia e não na eficiência temporal.
  4. “S(AI)fekeepers” – Quase metade dos novos utilizadores assegura que irá utilizar sistemas personalizados de aviso meteorológico para a sua própria segurança.
  5. Novo Ambiente de trabalho – Sete em cada dez inquiridos prevê a criação de assistentes de IA destinados a planear deslocações, tarefas e recursos, e, com isto, a minimizar as pegadas de carbono relacionadas com o trabalho.
  6. “Água Inteligente”  – Quase metade dos novos consumidores diz que os seus agregados familiares captarão água nos telhados, varandas e janelas, com funcionamento inteligente em período de chuva.
  7. A Enerconomia – 65% dos inquiridos prevê que os consumidores sejam capazes de pagar em kWh por bens e serviços, através da utilização de aplicações móveis.
  8. Menos é mais digital – Um terço dos novos utilizadores acredita que terá ao seu dispor aplicações de compras que sugerem alternativas digitais a produtos físicos.
  9. “Natureverso” – Quatro em cada dez inquiridos quer utilizar um serviço virtual de viagens que lhes permita experimentar reservas naturais e trilhos de montanha em tempo real, como se estivessem no local.
  10. Enganadores climáticos – Mais de metade dos novos consumidores urbanos acredita que surgirão aplicações de hacking, com o objetivo de aceder ilicitamente ao abastecimento de água ou eletricidade dos vizinhos.

Metodologia do relatório

O relatório baseia-se nas atividades globais de investigação do Ericsson ConsumerLab, que se verificam há mais de um quarto de século. Tem como fonte os dados oriundos de um inquérito online realizado durante o mês de novembro de 2022 aos a novos consumidores de AR, VR e assistentes digitais em 30 grandes cidades globais: Banguecoque, Berlim, Bruxelas, Cairo, Dallas Fort Worth, Deli, Jacarta, Joanesburgo, Kuala Lumpur, Lisboa, Londres, Madrid, Cidade do México, Miami, Milão, Munique, Nova Iorque, Oslo, Roma, São Francisco, São Paulo, Xangai, Singapura, Estocolmo, Sidney, Taipé, Tóquio, Toronto, Vancouver e Zurique.