Descarbonização

Emissões de carbono podem atingir segundo maior aumento de sempre em 2021

O novo relatório da AIE prevê que, para este ano, exista um aumento das emissões de dióxido de carbono em 1,5 mil milhões de toneladas.

O novo relatório da Agência Internacional de Energia (AIE) prevê que para este ano as emissões de dióxido de carbono relacionadas com a energia mundial aumentem 1,5 mil milhões de toneladas – o segundo maior aumento de sempre. A AIE afirma, em comunicado, que seria o maior aumento anual de emissões de carbono deste 2010, crescendo quase 5% para as 33 mil milhões de toneladas.

De acordo com o AIE’s Global Energy Review 2021 o principal fator é o aumento da procura por carvão, que deve crescer 4,5%, ultrapassando os valores de 2019 e quase alcançado o recorde de 2014. O setor da eletricidade é responsável por três quartos desse aumento.

“As emissões globais de carbono deverão aumentar em 1,5 mil milhões de toneladas este ano – impulsionadas pelo ressurgimento do uso de carvão no setor energético. Este é um aviso terrível de que a recuperação económica da crise de covid-19 é atualmente tudo menos sustentável para o nosso clima”, disse o diretor executivo da AIE, Fatih Birol. “A menos que os governos de todo o mundo se movam rapidamente para começar a reduzir as emissões, é provável que enfrentemos uma situação ainda pior em 2022”, acrescentou.

Em declarações ao The Guardian, Fatih Birol, afirma que “isto é chocante e muito perturbador. Por um lado, os governos de hoje dizem que as alterações climáticas são a sua prioridade. Mas, por outro lado, assistimos ao segundo maior aumento de emissões da história. É realmente dececionante”.

O carvão e o gás deverão ultrapassar os valores de 2019. Já o petróleo, apesar de recuperar, ficará abaixo do pico de 2019. Mais de 80% do crescimento esperado na procura de carvão vêm da Ásia, liderada pela China. Nos Estados Unidos da América e na União Europeia são esperados aumentos, mas vão permanecer abaixo dos valores pré-crise.

A geração de eletricidade a partir de renováveis é esperada crescer mais de 8% neste ano, contabilizando mais de metade do aumento do fornecimento geral global de energia. A maior contribuição vem da energia solar e da eólica.

A energia renovável deverá providenciar 30% de toda a geração de eletricidade no mundo, a maior percentagem desde o início da revolução indústria e aumento face aos 27% em 2019. A China deverá liderar esse aumento, contabilizando quase metade. O país asiático é seguido pelos Estados Unidos, a União Europeia e a Índia.