Descarbonização

Uma em cada cinco empresas está preparada para a descarbonização

Uma em cada cinco empresas está preparada para a descarbonização

O Boston Consulting Group (BCG) revelou, no seu relatório de Empresas Mais Inovadoras, “Are You Ready for Green Growth?“, que apenas uma em cada cinco organizações está preparada para a descarbonização.

Dois terços das empresas consultadas classificam o Clima e Sustentabilidade (C&S) como uma prioridade, enquanto mais de metade considera serem inovadoras e empenhadas nesta temática, colocando tanto a inovação como o C&S entre as suas três principais prioridades.

“Enquanto muitas empresas falam de sustentabilidade e fazem promessas de descarbonização, muito poucas fizeram verdadeiramente o trabalho de integrar as prioridades do C&S nos seus mecanismos de inovação e produzir resultados tangíveis”, diz o líder global do segmento de crescimento e inovação da BCG e coautor do relatório, Justin Manly.

“Ao mesmo tempo, investidores, reguladores, clientes e acionistas estão todos à procura de grandes empresas e dos seus CEOs para assumirem a liderança na realização de progressos reais contra o aquecimento global”, nota.

O relatório avaliou as empresas comprometidas com a inovação em C&S de acordo com a estrutura de benchmarking em innovation-to-impact da BCG, para avaliar a prontidão das suas práticas e plataformas de inovação. 28% destas organizações têm uma pontuação de 80 ou superior, em 100, e estão, por isso, “prontas” e equipadas com competências de inovação bem desenvolvidas. Tal significa que três quartos das empresas precisam de aumentar a sua aposta em inovação e 80% de todas as empresas enfrenta uma curva de aprendizagem acentuada.

As 50 empresas mais inovadoras também lideram em C&S

Quase 80% (39) das 50 empresas mais inovadoras de 2022 qualificam-se como os mais inovadores em C&S, de acordo com a votação global dos pares.

Pelo segundo ano consecutivo, a Apple detém a primeira posição no ranking. A Microsoft sobe duas posições para o segundo lugar e a Amazon desce um lugar para terceiro.

O relatório revela também que as indústrias responsáveis pelas maiores emissões – bens duradouros (85%), automóveis (78%), utilities (77%), e petróleo e gás (77%) – são as que mais priorizam o C&S. Além disso, as empresas com maiores emissões têm mais 20% de probabilidade do que os baixos emissores de visar o tipo de soluções tecnológicas necessárias para descarbonizar substancialmente.