Mobilidade

DPDgroup investe 200 milhões de euros para tornar as cidades europeias mais verdes

A empresa anunciou o seu compromisso de entregas alternativas que reduzam as emissões de dióxido de carbono (CO2) em mais de 225 cidades europeias, inseridas em 20 países. Para atingir o objetivo, o DPDgroup irá instalar 7.000 novos veículos alternativos, 3.600 pontos de carregamento e 80 novas micro agências urbanas. Estas iniciativas representam, no total, um investimento de 200 milhões de euros até 2025.

O lançamento de 80 novas micro agências urbanas vai também ajudar a otimizar ainda mais os processos de entrega, a adaptação das operações locais e a proximidade ao cliente. Estas vão ser criadas nos principais centros urbanos, tais como Basileia, Barcelona, Berlim, Budapeste, Munique, Marselha, Praga, Varsóvia e, em Portugal, em Lisboa e no Porto. As novas agências vão reforçar a atual rede de 130 micro agências urbanas que se encontram em várias cidades.

“Hoje, estamos a acelerar o nosso compromisso para com o planeta com uma ambiciosa redução da nossa pegada ambiental nas maiores cidades europeias”, refere Boris Winkelmann, presidente e CEO da GeoPost / DPDgroup.

De acordo com o “Relatório sobre a Qualidade do Ar Europeu da Agência Europeia do Ambiente de 2018”, a poluição atmosférica, cuja principal fonte é o tráfego rodoviário, deverá ser responsável por reduzir em 15 meses a esperança média de vida das pessoas que vivem em cidades com mais de 100 mil habitantes.

Por estas razões, o DPDgroup escolheu as “maiores cidades europeias para começar a implementar estas iniciativas. Um objetivo que vai ao encontro do novo modelo de entrega que o DPDgroup tem vindo a experimentar, nos últimos anos, em várias cidades por toda a Europa”.

Até 2025, a empresa pretende reduzir a sua pegada de carbono nas cidades escolhidas, diminuindo as suas emissões de CO2 em 89% e os poluentes em 80% em relação a 2020. “O nosso objetivo a longo prazo é desenvolver este primeiro plano ambicioso de implantação de soluções de baixas e zero emissões nas 225 maiores cidades da Europa, a fim de nos tornarmos totalmente livres de CO2 nas nossas atividades nos próximos 20 anos”, adianta Boris Winkelmann.