Descarbonização

Portugal vai ter mercados locais voluntários de carbono

Portugal vai ter mercados locais voluntários de carbono

O Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (CEiiA) assinou, esta quarta-feita (9 de dezembro), um protocolo com o Ministério do Ambiente e da Ação Climática para promover o desenvolvimento dos mercados locais voluntários de carbono em Portugal.

Este projeto visa incentivar os consumidores e empresas a tomarem decisões que baixem as emissões de CO2, criando créditos que podem ser comprados pelas empresas que ambicionam caminhar para a neutralidade carbónica.

De acordo com o CEiiA, a compra de créditos irá originar uma receita que poderá ser utilizada pelos municípios em atividades que também promovam uma “economia verde, descarbonizada e circular”, por forma a criar um “círculo virtuoso, sendo todas estas transações registadas na plataforma tecnológica AYR”, explica.

“Acima de tudo consegue-se atribuir um valor financeiro às emissões evitadas pelo comportamento dos cidadãos, valor esse que será reinvestido na região em atividades relacionadas com economia verde”, garantiu José Rui Felizardo, presidente do CEiiA.

O responsável sublinhando que este projeto “irá contribuir para que Portugal possa atingir a neutralidade carbónica em 2050, estando alinhado com as ambições do Pacto Ecológico da União Europeia”.

Entre os objetivos da iniciativa, há também o envolvimento de jovens, cidadãos, empresas e municípios a tomar decisões que promovam uma diminuição das emissões, incentivar as empresas que não conseguem eliminar por completo as suas emissões de CO2 a compensar comprando créditos de carbono e definir o enquadramento necessário à criação de fundos locais de carbono, decorrentes do valor das compras dos créditos, que deve ser investido em projetos que também contribuam para baixar as emissões de CO2.

Matosinhos será o primeiro município a receber este mercado.