Descarbonização

Emissões europeias de GEE regressam aos valores pré-pandemia no 4º trimestre

As emissões de gases com efeito de estufa (GEE) pela economia da União Europeia (UE) já voltou aos níveis pré-pandemia, ultrapassando-as ligeiramente com a emissão de 1,041 mil milhões de toneladas equivalentes a CO2 emitidas durante o quarto trimestre de 2021.

De acordo com o Eurostat, o valor significa um aumento de 8% face às emissões no mesmo trimestre de 2020, motivada pela retoma económica. Quando comparado com as emissões de 2019, para o mesmo período, o aumento ronda os 3,5%. Recorde-se que no terceiro trimestre de 2021, já se antecipava a tendência de retoma, com as emissões apenas ligeiramente inferiores aos níveis pré-pandemia.

Os setores responsáveis pela maioria das emissões foram as famílias (22%), a manufatura e o fornecimento de eletricidade (ambos com 21%), seguidos pela agricultura (12%) e os transportes e armazenamento (11%).

Em todos os setores, as emissões subiram em relação a 2020, com as maiores nos transportes e armazenamento (+18%), no setor mineiro (+11%) e no fornecimento de eletricidade (+10%).

O Eurostat nota que “apesar do efeito da recuperação económica entre os mesmos trimestres de 2020 e 2021, a tendência a longo prazo das emissões de gases com efeito de estufa da UE apresenta uma redução constante”.

Analisando as emissões por estado-membro, Estónia (+28%), Bulgária (+27%) e Malta (+23%) foram os países em que mais aumentaram as emissões face ao período homólogo em 2020. No caso português, o aumento foi de 4,1%.

Em casos como o da Estónia, Bulgária, Suécia (+14%), Letónia e Bélgica ( ambos com +13%), o aumento registado foi “visivelmente mais acentuado do que o decréscimo registado entre o quarto trimestre de 2019 e o mesmo trimestre de 2020”.