Energias Renováveis

Acelerar transição ‘verde’ pode diminuir emissões na instalação de capacidade

Acelerar transição ‘verde’ pode diminuir emissões na instalação de capacidade

A Universidade Columbia, nos Estados Unidos da América, analisou pela primeira vez o custo da transição ‘verde’ em emissões com gases com efeito de estufa (GEE). A investigação concluiu que se a instalação de infraestrutura renovável se mantiver no mesmo ritmo atual, esta instalação produzirá 185 mil milhões de toneladas de dióxido de carbono até 2100 (equivalente a cinco ou seis anos das emissões globais atuais).

Em comunicado, a universidade explica que se, mundialmente, for construída a mesma infraestrutura com rapidez suficiente para limitar o aquecimento global a dois graus, as emissões na instalação seriam reduzidas para apenas 95 mil milhões de toneladas.

Numa perspetiva ainda mais ambiciosa, com a limitação do aquecimento para 1,5 graus, o custo seria apenas de 20 mil milhões de toneladas até 2100 – equivalente a apenas a cerca de seis meses das emissões globais atuais.

“A mensagem que queremos passar é que vai ser preciso energia para reconstruir o sistema energético global, e precisamos de ter em conta isso”, disse o autor principal Corey Lesk. “Seja como for, não é insignificante. Mas quanto mais se poder inicialmente instalar capacidade de energia renovável, mais se pode alimentar a transição com as renováveis”.

Os investigadores calcularam as possíveis emissões produzidas pelo uso de energia na mineração, fabrico, transporte, construção e outras atividades necessárias para criar grandes explorações de painéis solares e turbinas eólicas, juntamente com infraestruturas mais limitadas para fontes geotérmicas e outras fontes de energia.

iStock 1324856004

A equipa salienta que todas as suas estimativas são provavelmente bastante baixas. Por um lado, não explicam os materiais e a construção necessários para novas linhas de transmissão elétrica, nem baterias para armazenamento – produtos altamente energéticos e de recursos intensivos. Também não incluem o custo da substituição de veículos movidos a gás e a gasóleo por veículos elétricos, ou de tornar os edifícios existentes mais eficientes em termos energéticos.

O estudo também analisa apenas as emissões de dióxido de carbono, que atualmente causam cerca de 60% do aquecimento em curso – e não outros gases com efeito de estufa, incluindo metano e óxido nitroso.

“Estamos a estabelecer o limite inferior”, disse o principal autor do estudo. Corey Lesk aponta que, dadas as recentes descidas de preços das tecnologias renováveis, 80 a 90% do que o mundo precisa poderia ser instalado nas próximas décadas, especialmente se os atuais subsídios à produção de combustíveis fósseis forem desviados para as renováveis.

“Se entrarmos num caminho mais ambicioso, todo este problema desaparece. Só é uma má notícia se não começarmos a investir nos próximos cinco a dez anos”, concluiu.

Adaptação à subida do nível da água do mar

Como parte do estudo, os investigadores também analisaram as emissões de carbono da adaptação à subida do nível do mar. A construção de muros marinhos e movimentar cidades para o interior, sempre que necessário, geraria mil milhões de toneladas de dióxido de carbono até 2100, no cenário de dois graus.

A equipa salienta que seria apenas uma parte do custo de adaptação, uma vez que não alisaram infraestruturas para controlar a irrigação em áreas que poderiam tornar-se mais secas, a adaptação de edifícios a temperaturas mais elevadas ou outros projetos necessários.

“Apesar destas limitações, concluímos que a magnitude das emissões de CO2 incorporadas na transição climática mais ampla são de relevância geofísica e política”, escrevem os autores. “As emissões de transição podem ser muito reduzidas sob uma descarbonização mais rápida, dando uma nova urgência ao progresso político na rápida implantação de energias renováveis.”

iStock 1403619877