Tecnologia

Start-ups ‘climate tech’ recebem investimento recorde em 2020

Start-ups ‘climate tech’ recebem investimento recorde em 2020

As start-ups de ‘climate tech’, empresas que desenvolvem tecnologia para abordar a crise climática, receberam um recorde de investimento de capital no ano passado, no valor de cerca de 15 mil milhões de euros (17 mil milhões de dólares). Está é a conclusão do novo relatório da empresa de pesquisa BloombergNEF (BNEF).

Além disso, a BNEF destaca, em janeiro deste ano, um grande foco na inteligência artificial (IA) ao serviço do clima. Por exemplo, a empresa de bens de consumo Unilever e a retalhista online Alibaba anunciaram uma iniciativa que ia dar uso de IA para identificar e classificar resíduos de plástico. As startups da indústria digital angariaram quase 2 mil milhões de dólares em janeiro – o maior mês desde o início dos registos da BNEF.

A BNEF dividiu o investimento em seis categorias chave: transição energética; transportes e nova mobilidade; agricultura e uso do solo; clima e floresta; descarbonização da indústria e dos edifícios; economia circular e novos materiais.

Os transportes e a nova mobilidade “parecem ser a área mais popular”, de acordo com a BNEF foram os que mais concentraram fundos. Os Estados Unidos da América e a China foram os países onde mais capital foi investido em ‘climate tech’, principalmente nos transportes e na nova mobilidade.