Energias Renováveis

Leilão de hidrogénio promovido pelo Governo avança em janeiro de 2022

O leilão de hidrogénio, inicialmente marcado para abril de 2021, vai mesmo avançar em janeiro de 2022. A novidade surgiu no âmbito de uma entrevista do ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, ao portal Eco/Capital Verde.

“Estamos a configurar o que poderá ser um leilão de hidrogénio para o próximo ano. Dê-nos um ou dois meses para ver como é que isto evolui. Estamos a trabalhar para isso e no início de janeiro quando for público o aviso do Fundo Ambiental vai haver o valor para o leilão de hidrogénio”, disse o ministro.

“Até porque os 60% das verbas dos leilões CELE (licenças de emissão de carbono) a colocar no sistema elétrico nacional, seriam com base no pressuposto de haver sobrecusto, mas como há sobreganho (nas renováveis), temos uma folga grande para os leilões do hidrogénio”, explicou ainda.

O responsável pela pasta do ambiente garantiu ainda que produzir hidrogénio verde hoje é mais barato do que utilizar gás natural. Além disso, afirmou que face ao preço (acima dos 100 euros por MWh a que tem estado o gás natural na Europa o hidrogénio verde não precisa de apoios para ser produzido.

“Vai este cenário prolongar-se ao longo de um ano? Não creio. É por isso que ainda faz todo o sentido realizar um leilão de hidrogénio. Lembro a conta: eram 500 milhões de euros a dividir por dez anos. Mas serão necessários? Só se a quantidade for maior porque se pensarmos no preço unitário, até é dinheiro a mais”, considerou.

Em abril, o secretário de Estado da Energia, João Galamba, já tinha dito que os futuros leilões de hidrogénio serão direcionados para os potenciais consumidores de hidrogénio verde, ou seja, qualquer empresa que dependa ainda de energias fósseis e poluentes (como o diesel, por exemplo), sobretudo no setor da indústria e dos transportes.