Desplastificação

DS Smith testa papel à base de cascas de cacau e até margaridas

DS Smith testa papel à base de cascas de cacau e até margaridas

A DS Smith, empresa de packaging sustentável, está a investigar materiais novos e inovadores para o seu processo de fabrico de papel e soluções de packaging, que incluem palha, margaridas, cânhamo, cascas de cacau e algas.

Em comunicado, a empresa revela que está a testar um conjunto de fibras alternativas como parte do seu plano de I&D e Inovação, no valor de 117 milhões de euros, para acelerar o seu trabalho na economia circular.

A DS Smith está igualmente a explorar a utilização de plantas, como as margaridas, graças às suas propriedades de fibra e ao seu potencial para serem transformadas em papel.

DSSmith margaridas

Adicionalmente, a empresa realizou ensaios explorando a possível utilização das algas marinhas como matéria-prima para eliminar os plásticos problemáticos nas embalagens de cartão, invólucros de papel e tabuleiros de cartão.

A equipa de inovação da DS Smith está também a realizar experiências com cascas de cacau para o cartão das embalagens de chocolate e a analisar outros materiais com um bom perfil ambiental. Por exemplo, resíduos agrícolas sob a forma de palha e plantas como cânhamo ou miscanto. Em alguns casos, a sua produção poderia requerer um consumo de até 50% menos energia e 95% menos água do que os processos tradicionais de fabrico de pasta de papel.

“Além de estudarmos como otimizar as fibras de papel reciclado padrão que já usamos, estamos muito entusiasmados com a perspetiva de como outros recursos, como miscanto, cânhamo, resíduos agrícolas e algas marinhas podem ser usados na próxima geração de soluções de packaging. Tudo isto faz parte do nosso objetivo de tirar o máximo proveito de cada fibra que utilizamos até 2030”, afirma o Paper and Board Development Director da DS Smith, Thomas Ferge.

DSSmith margaridas cascas cacau