Descarbonização

Acordo de Paris: Maioria dos planos para novas centrais a carvão foram descartados

central a carvão

Uma nova investigação, desenvolvida pelos grupos ambientais E3G, Global Energy Monitor e Ember, revelou que mais de três quartos das novas centrais a carvão planeadas foram canceladas desde a assinatura em 2015 do Acordo de Paris, o que significa que 44 países deixaram de ter planos futuros para energia a carvão.

“Há apenas cinco anos, existiam imensas novas centrais a carvão planeadas para serem construídas, mas a maioria delas já foi oficialmente interrompida, ou são colocadas em stand-by e improváveis de serem construídas”, disse o responsável da Ember, Dave Jones, ao The Guardian.

As restantes centrais a carvão planeadas estão espalhadas por 31 países, metade dos quais têm apenas uma prevista para o futuro.

O diretor associado da E3G, Chris Littlecott, explicou que a economia do carvão se tornou “cada vez mais pouco competitiva em comparação com as energias renováveis, enquanto o risco de ativos encalhados aumentou”.

O relatório constatou que se a China – responsável por mais de metade dos planos mundiais de centrais a carvão – optasse por abandonar os projetos, a par da Índia, Vietname, Indonésia, Turquia e Bangladesh, então o número de centrais deste tipo planeadas diminuiria quase 90%.