Marcas de automóveis preveem que crise no setor piore em 2012

Mercado automóvel já com perdas de 600 milhões

As marcas de automóveis preveem um mau ano de 2012, pior que o ano passado. Com o agravamento da carga fiscal sobre os carros e as dificuldades no acesso ao crédito por parte dos portugueses, a Renault, Peugeot, Ford e Volkswagen, que estimam uma quebra nas vendas de 20%, reclamam medidas para impulsionar as vendas. 

Ricardo Oliveira, diretor de comunicação e imagem da Renault, assume que “o ano vai ser particularmente difícil para o setor”, acrescentando que, para combater estas previsões são necessárias medidas “para ajudar a comprar carros e aumentar as receitas, como os incentivos ao abate dos veículos em fim de vida”, avança o Diário Económico.

Também a SIVA estima que o mercado continue “a cair em 2012, depois de uma quebra tão significativa de 30% no ano passado”, sublinhou o administrador da empresa, Fernando Monteiro, durante um encontro com jornalistas, na semana passada.

As perspetivas são avançadas pela Ford e Peugeot, esta última marca considera o ano de 2011 como “o pior dos últimos 23 anos”, no entanto, pela situação que o país vive, “2012 pode ser ainda mais duro”, afirmou Jorge Magalhães, diretor de relações externas e imprensa da Peugeot.

Fernando Monteiro, da SIVA, garante que as marcas que representa “irão reforçar o seu valor e peso relativo no mercado, através da forte dinâmica do grupo Volkswagen”.

Também a Ford assume que terá “novidades em quase todos os segmentos de mercado, o que permitirá manter um interesse muito grande sobre a marca”.

Não perca informação: Subscreva as nossas Newsletters

Subscrever